Carnaval

Carnaval

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Telegram 
Entre agora!

Fazia décadas que não pulávamos carnaval, pois tivemos 3 filhos anos alternados (pular matinês bebendo suco não conta). Finalmente com filhos crescidos eu e minha esposa pudemos curtir o carnaval. Fomos para um bloco e nos divertimos bastante. Não foi como nos tempos de namorados ou recém-casados, quando pulávamos no salão e havia muita pegação (com minha esposa, é claro) mas foi legal. Bebemos sem excessos e fomos para casa.

Nossos filhos estavam viajando e tínhamos a casa só para nós. Minha esposa colocou na tv um desfile de escola de samba e continuamos a festa. Depois de beber algumas caipirinhas, ela tirou a roupa ficando só de calcinha fio-dental e ficou rebolando sobre o sofá. Minha esposa relembrava os tempos de carnaval de salão, quando dançava apenas de calcinha sobre a mesa, e eu ficava tomando conta para que nenhum engraçadinho passasse a mão (vários me driblavam e chegavam até a enfiar o dedo em seus orifícios).

Depois ela desceu do sofá e apalpou minha rola, que latejava de tão dura. Ajoelhou e chupou. Fazia uns 20 anos que ela não mamava minha rola na sala. Desde que nossos filhos nasceram, o sexo ficou comportado, silencioso e restrito ao quarto. Minha esposa levantou, virou-se encaixando meu cacete entre as nádegas e fizemos um trenzinho pelo apartamento. Chegamos na área de serviço e ela debruçou na janela arrebitando a bunda. Puxei sua calcinha para o lado e meti na boceta. Ela rebolava rebolava e agitava os braços. Sua euforia e suas tetas podiam ser vistas pelos vizinhos, mas ela não se importava. Ficamos alguns minutos assim. Não sei se ela gozou mas eu não gozei. Ela segurou meu cacete e dançando me puxou para a cozinha. Apoiou-se na mesa e com o rabo arrebitado, passou a rebolar. Soquei rola na sua boceta enquanto ela cantava marchinhas de carnaval. Pelo tom de sua voz percebi quando ela gozou. Ela então se levantou e me puxou de volta para a sala. Eu já estava meio puto, pois estava quase gozando quando ela interrompeu a foda. Ela foi para a janela da sala, escancarou as cortinas ficando totalmente exposta para os vizinhos. Sem parar de rebolar, separou as nádegas. Meti na boceta mas ela tirou meu pau e o encaixou no cuzinho. Nem me lembrava quando foi a última vez que meti no seu cu. Cutuquei e estava seco demais para entrar. Ela veio de ré, forçando, e meu cacete entrou apertado e esfolando. Ela espremeu meus pentelhos com a bunda e começou a rebolar. Notei que alguns vizinhos nos observavam pela janela. Ela requebrava feito louca e quando falei que ia gozar, ela se abaixou e mamou minha rola até extrair a porra que engoliu sem desperdiçar uma gota sequer. Depois disso, sentamos no sofá, cansados, e caímos no sono.

Acordei de manhã com o barulho vindo do banheiro. Minha esposa vomitava sem parar (ela sempre foi fraca com bebida). Quando voltou, abatida e com olheiras, perguntou o que tinha ocorrido na noite anterior. Falei que relembramos os velhos tempos. Ela disse que seu cu estava doendo e falei que comi seu cu. Não tive coragem de falar que ela deu um show para os vizinhos. Minha esposa disse que estava velha demais para pular carnaval.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *