Cu de bêbada tem dono sim

Cu de bêbada tem dono sim

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Telegram 
Entre agora!

Por mais incrível que possa parecer, sempre fui um cara bem reservado e a vida noturna em baladas e barezinhos nunca me atraíram, entretanto, saia algumas vezes com alguns amigos após uma semana estressante e cansativa de trabalho.

Como toda última semana do mês a empresa estava uma loucura, todas as equipes correndo para fechar suas metas, finalizar seus relatórios, organizar as atividades a serem feitas para o próximo mês e assim por diante.

Trabalho no setor técnico de uma empresa de telecomunicações e por azar (ou não) todos os departamentos passam por ele de alguma forma, seja para xingar e nos deixar estressados ou para implorar ajuda (Que também nos deixa estressados…rs!).

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
thor hammer gel amostra grátis

Já tinha passado muito do meu horário, por falta de atenção do RH (Ou sacanagem mesmo!) dois funcionários saíram de férias ao mesmo tempo e o trabalho deles obviamente caiu no meu colo.

Imerso nos relatórios que tinha que terminar de escrever, não percebi que Michelle havia entrado na sala. Trabalha no departamento comercial da empresa e não deve ter 25 anos, cabelos lisos com luzes até os ombros, olhos de um castanho claro cor de mel, pele bem branca com lábios finos mas bem vermelhos, seios grandes que fazia questão de mostrar usando camisas justas com decote e uma bunda não muito grande mas bem redondinha e firme.

Quem acompanha meus contos sabe que mulheres cheinhas, com tatuagens e piercings me hipnotizam e Michelle tinha tudo isso!

— Oi Vi! Acho que não está tendo um dia muito tranquilo, né? – Falou dando um sorriso e se sentando ao meu lado!

— Não muito, um dia vou trabalhar com vocês no comercial! – Respondi resmungando e esboçando um sorriso!

— Até parece que temos vida fácil, acabei de voltar de uma reunião com cliente, tomei um chá de cadeira fodido e ainda não almocei!

— Bem-vinda ao meu mundo! – Me virei pra ela estendendo a mão para ela bater como em um cumprimento!

Não adiantava iniciar naquele momento uma discussão ou uma briga, sempre nos demos muito bem, almoçávamos juntos e conversávamos bastante no trabalho e fora dele quando íamos no bar para um Happy Hour!

Apesar de todos os atributos que eu admiro, nunca me atrai muito por Michelle e nem mesmo pensava em ficar com ela (E não sei explicar o porquê..) até os acontecimentos que vou relatar abaixo!

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
thor hammer gel amostra grátis

Continuamos a conversa por mais ou menos 30 minutos, ela usava roupas sociais e uma maquiagem bem leve que certamente estava bem melhor antes de ter passado pelo dia de cão que teve!

O perfume que usava já tinha tomado toda a minha sala que naquele momento só tinha nós dois, tomava um café na minha caneca e comia umas bolachas que tinha trazido para um lanche no final da tarde!

— Vi?

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Telegram 
Entre agora!

— Hum?

— Você vai no bar com o pessoal na sexta?

— Não estou muito a fim, você vai? – Respondi sem tirar os olhos do monitor!

— Acho que vou, depois dessa semana preciso encher a cara! Vamos? Assim terei alguém idiota pra conversar! – Falou me abraçando e dando um beijo no meu rosto!

— Idiota, né? Cuidado que você não me conhece tão bem assim! – Sorri de volta! – Também tive uma semana foda, eu vou, mas não vou demorar muito, certo?

— Feito!

Os outros dias foram a mesma loucura dos anteriores até sexta feira, meu nível de stress estava em um nível que poucas vezes na vida eu cheguei, novamente estava depois do meu horário em plena sexta feira quando novamente senti àquele perfume!

Me virei para a porta e ela estava com outros dos funcionários da empresa e dessa vez, não tinha como não olhá-la de um jeito diferente! Vestia uma blusinha de alças, saia de couro na altura das coxas e salto alto, um batom vermelho que deixava os lábios bem destacados e uma maquiagem muito bem feita!

— Vim te buscar, pensa que esqueci?

— Caraca, tem certeza que vamos no mesmo bar de sempre?

— Claro, por que?

— Por nada! – respondi me levantando!

Chegamos ao bar e praticamente toda a empresa estava lá, alguns já bem chapados! Nos juntamos a eles e começamos a acompanhá-los bebendo e conversando, finalmente tirando o stress dos últimos dias e conversando sobre vários assuntos que nada tinha a ver como trabalho.

As horas passaram rápido, já tínhamos bebido bastante e a forma que Michelle me olhava estava diferente do normal!

— O que foi? – Perguntei!

— Preciso te falar uma coisa que percebi agora! Ou acho que você sempre escondeu de mim! – Falou chegando perto de mim e encostando no meu ouvido!

— Essa cara de safado que você tem! Por que nunca me mostrou antes?

Falou sussurrando no meu ouvido e terminando com um beijo devagar e safado no meu pescoço e notei o quanto já estava bêbada! Não perdi a chance e aproveitando o nível de álcool em mim, mostrei como realmente sou fora da empresa.

Nos sentamos frente a frente na mesa conversando e em uma disputa de olhares safados e famintos, minhas mãos corriam por suas coxas e apertavam subindo cada vez mais empurrando sua saia para cima perigosamente próximo a sua virilha!

As mordidas que dava nos lábios vermelhos entregavam seu tesão e as mãos macias por dentro das mangas da minha camiseta, apertando meus ombros me dava uma prévia de sua pegada!

Resolvemos sair do bar para não dar muito na cara o que estávamos fazendo (Depois descobrimos que não adiantou nada, todos perceberam…!)

Andamos até o estacionamento do prédio e não perdi tempo assim que chegamos a seu carro, empurrando seu corpo com o meu até o capô levantei sua saia e a coloquei sentada sobre ele me encaixando entre suas pernas, senti suas mãos correndo pelas minhas costas por baixo da camisa e sua língua subindo pelo meu pescoço até puxar meu lábio com os dentes!

Nos beijamos como se fossemos nos devorar com intensidade e tesão, os gemidos de prazer de ambos estavam ficando perigosamente altos e podíamos ser vistos a qualquer momento!

Entramos no carro e rumamos para algum motel ali próximo, enquanto ela dirigia meus dedos corriam entre suas coxas afastando sua calcinha de lado e já sentindo o quando sua buceta estava molhada.

Olhando para ela, tirei meus dedos lambuzados com seu mel e os levei a boca para sentir seu sabor, tomada de tesão ela me segurou pelos cabelos e voltou a me beijar para senti-lo em minha boca… realmente o nível de álcool amplifica ao máximo todo nosso tesão!

Entramos no primeiro motel que encontramos e por pouco já não conseguimos chegar ao quarto, ainda no carro ela arrancou minha camisa e mordeu meu peito deixando as marcas de batom vermelho enquanto eu puxava seus cabelos e batia em seu rosto!

Entramos no quarto arrancando nossas roupas e nos jogando na cama, desci pelo seu corpo usando a ponta da língua começando pelo pescoço até seus seios, parando para mordê-los e continuando a descer.

Entre suas coxas, apoiei as pernas nos meus ombros e enfiei sua calcinha entre os lábios de sua buceta ensopada e quente, os chupões e mordidas que dava em sua virilha a fazia tremer soltar gemidos altos e longos!

Segurando meus cabelos, me puxou para cima de si até que pudesse me beijar, virando o corpo rapidamente, logo estava por cima me olhando como se fosse me devorar abrindo o sutiã e deixando aparecer seus deliciosos seios com aureolas rosadas!

Foi sua vez de percorrer meu corpo com sua língua, parando nas costelas para morder e dar chupões que no dia seguinte vi que deixaram marcas. As mãos faziam o mesmo trajeto começando pelos ombros e as unhas deixavam listras que desciam até meu abdome.

Arrancou minha calça social com a boxe que usava em um só movimento expondo meu pau já em riste, pulsante, com o líquido pré gozo escorrendo pela glande confirmando todo o meu tesão!

A boca de Michelle o devorou sem cerimônias como se fosse algo que mais desejava na vida, enquanto levantava os olhos para me olhar, ajeitava seus cabelos atrás das orelhas e fazia com que tivesse uma visão privilegiada do seu trabalho, subindo e descendo com a outra mão, a boca o lambuzando com sua saliva que escorria pelos seus dedos ate minha virilha!

Claramente alterada por causa do álcool dizia coisas que mal compreendia, exceto algumas palavras como “safado”, “gostoso”, “puta” e coisas do tipo!

Montou em mim ainda quando deitado, me escalando rapidamente e senti meu pau escorregando para dentro de sua buceta de uma vez. O urro que deu a fez cravar as unhas em meu peito e tive que me segurar pela primeira vez para não gozar dentro dela! Cavalgava freneticamente, me xingava e apertava meu rosto depois de dar tapas!

— Me olha daquele jeito outra vez, safado! Me olha! – Gritava dando novos tapas!

Fiz sua vontade eu a virei novamente na cama, levantei bem suas pernas segurando pelos tornozelos e apertando forte, dei uma estocada forte deixando meu pau inteiro dentro de sua buceta molhada e a olhei passando a língua nos dentes! Soltou um gemido alto e suas mãos agarraram meus pulsos!

— Era isso que queria? Vai ter!

Alternava as estocadas entre fortes e rápidas ou apenas rápidas tirando meu pau todo para logo depois penetrar de uma vez!

Não sei dizer quantas vezes a senti gozar e apertar meu pau dentro de si, mas via no lençol molhado de seu mel que tinha sido bom pra ela! Desci com ele até a entrada do seu cuzinho e senti ela novamente apertar forte meus pulsos!

— Não! Não! Por favor, aí não! Eu nunca dei!

— Pra tudo na vida se tem uma primeira vez, minha putinha! Vou colocar devagar!

Acho que a forma que a olhei a convenceu e ela relaxou mesmo sem soltar meus pulsos! Espalhei bastante de seu mel pela entrada de seu rabinho e fui empurrando devagar, massageando seu grelo com o polegar quando seu corpo se contraia com dor voltando a forçar quando relaxava!

Comecei a mexer os quadris enfiando apenas a cabeça e indo mais fundo conforme ia se acostumando. Os gemidos foram aumentando e ela já dedilhava sua buceta enquanto tinha seu cuzinho aberto por mim!

— Goza comigo, seu filho da puta! Goza no meu cu!

Acelerou os movimentos com os dedos esfregando seu grelo duro e molhado, acompanhei da mesma forma apoiando suas pernas nos meus ombros e empurrando mais fundo, ambos gemíamos alto e anunciamos o gozo, senti seu mel morno escorrendo pela minha virilha antes de começar a soltar dentro dela a minha porra quente! Nos deitamos lado a lado na cama cansados e suados, abriu um sorriso safado pra mim e disse:

— Você é muito safado! Tirou minha brisa da bebida e ainda tirou o cabacinho do meu cú!

— Agora seu cuzinho tem dono!

— Tem? Então é melhor cuidar bem dele!

Falou descendo com a boca pelo meu corpo, iniciando outra vez um delicioso boquete para continuarmos nossa noite e para minha grata surpresa, me pedir bem safada balançando seu delicioso rabão para que voltasse a foder seu rabinho!

Espero que tenham gostado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *