Natal 2019

Nesse Natal fui com a família para a nossa casa de praia e na mesma rua mora a minha avó com meu tio e aos finais de semana e feriados minha tia também aparece por lá.

Minha tia tem 52 anos, solteira, malhada e com corpinho de 40 anos, siliconada e malhada.

No sábado 21, fomos todos para a praia e fui organizando a tenda, cadeiras e nisso minha tia veio me ajudar e não teve como não dar uma olhada na pepeka e nos peitos dela e ela percebeu o meu olhar.

Depois de tudo organizado foi no quiosque pedir a minha caipirinha, cerveja e refrigerantes e ao levantar da cadeira ela deu uma manjada na minha pica, eu a olhei e ela deu risada.

Voltei com as bebidas, ficamos bebendo, conversando e veio aquela vontade de fazer xixi e avisei que iria na água mijar e nisso e fala que iria comigo.

Como sou um pouco alto tive que entrar um pouco mais no mar e ela pediu para lhe segurar pois também queria ir mais para o fundo.

Chegamos numa boa posicão acima da cintura e ela pediu para a ajudar e segurar, a segurei em suas mãos e a puxei para o meu lado e ja aproveitei e dei uma encoxada na buceta dela e nisso ela pergunta como eu faço xixi, se por cima da sunga; pois ela não fazia por cima do biquini. Aproveitei e coloquei a rola pra fora e mostrei para ela a cabeçona e o xixi saindo, ela disse que eu era um sobrinho maluco.

Perguntei se ela não iria fazer, ela me disse que só se eu se virasse para não ver a pepeka dela, de raiva meti as mãos em suas coxas e abaixei o seu biquini, a sua bucetona depilada ficou nos meus dedos, dei uma passada de mão e depois ela fez o xixi.

Ao voltarmos para a tenda ela me disse que estavamos indo longe demais, que eu era seu sobrinho e isso não podia acontecer, falei a ela que desde a minha infância via ela pelada e batia muita punheta para ela.

Voltamos e continuamos a tomar nossas cervejas, caipirinhas, peixinho frito, camarrão, etc e num certo momento ela disse que queria ir novamente na aguá e se eu podia ir com ela novamente pois o restante dos familiares estavam envolvidos em conversar e atenção as crianças.

Voltamos para a água e já deixei ela ir na frente e quando veio a onda eu ja segurei o seu corpo a levantando no meu colo. A coloquei sentada no meu colo na água e já fui enfiando a mão no seu biquini e a colocando de lado, depois que ela disse que ja tinha feito o xixi, dei uma passada de mão e uma dedada na buceta e nisso ela segurou na minha rola que estava querendo furar a sunga.

Ela disse que desse jeito não seria responsável por mais nada.

Ela saiu da água e eu tive que ficar mais um pouco para acalmar a cobra.

Passado uns minutos voltei para a areia e fui jogar um voleibol com todos.

Logo depois todos resolveram voltar para a casa da minha avó e ascender a churrasqueira.

E todos sabendo que gosto muito de ficar na churrasqueira e fazer caipirinhas todos pediram para eu fazer isso e minha tia disse que iria me ajudar.

Todos na área da churrasqueira e de vez em quando tinha que entrar a casa para pegar alguma coisa e como era na casa da minha avó e não sabia a onde ficava o que iria precisar sempre ela vinha me ajudar.

Em um certo momento precisei de umas grelhas que estavam no quartinho de despesas e com isso ela foi na frente.

Ao entrar no quartinho o mesmo estava em uma preateleira um pouco alta e precisava de um banquinho, a mesma pegou o banquinho, eu subi e ela ficou segurando nas minhas pernas e percebi que a sua boca estava na altura da minha cintura.

Aproveitei e coloquei a rola pra fora e coloquei em seu rosto, ela deu uma olhada e abocanhou tudo. Rapidinho fiquei de pau duro e em poucos minutos enchi a boquinha dela de porra.

Voltamos para organizar o churrasco e tudo percorreu normalmente.

No domingo pela manhã fomos no mercado e conversamos sobre o acontecido e ela me pediu para parar, pois poderiam desconfiar.

Ficamos os outros dias comum esbarrão aqui, uma encoxada ali, mas tudo normalmente.

Na vérpera aos comprimentos nos demos aquele beijinho de cantinho de boca.

Ontem de manhã ela ficou sabendo que eu voltaria para São Paulo de ônibus e deixaria o carro com a família.

Aí ela disse que também iria voltar para pegar umas coisas e na sexta voltaria para a praia.

Saímos do litoral por volta das 20:00hs e no caminho muita conversa, risadas, e eu dirigindo e as vezes ela colocava a mão na minha perna e a pica ficando dura.

Ela percebeu e lambeu os lábios.

Chegamos em São Paulo por volta das 22:35hs e estávamos com fome e com sede.

Decidimos comprar uma pizza e umas cervejas.

Ao chegar em sua casa ela disse que iria tomar um banho rapidinho e trocar de roupas.

Fiquei na sala tomando a cerveja e a esperando.

Quando saiu do banho estava com uma camisola azul curta e decotada e a mesma me perguntou se eu não queria tomar um banho também para tirar o cheiro da estrada.

Fui tomar um banho rapidinho e sai só de bermuda de moletom, deixei a cueca na suíte.

Comemos a pizza, tomamos as cervejas e quando vi já era quase meia noite e ela ainda teria que me levar em casa.

Aí ela perguntou se eu não queria dormir por lá.

Respondi que dormir eu não iria querer, iria continuar e terminar o que não aconteceu; ela deu uma risada e veio me beijar.

A segurei pela cintura e a levantei em meu colo e fui encaixando a rola na entrada da sua buceta.

Fomos em direção ao seu quarto e a coloquei em sua cama e fui beijando o seu pescoço, orelha, fui mordendo o seu pescoço e os seus ombros e ela se arrepiou inteira.

Levantei a sua camisola e chupando os seus peitos deliciosos, mamei ali por uns 5 minutos.

Fui descendo com a língua pela sua barriga até chegar na sua buceta e percebi que a mesma tinha a deixado depiladinha na hora do banho.

Enfiei a língua na sua buceta, mordia os seus lábios vaginais, fiquei mamando o seu grelo por um bom tempo e ela gozou gostoso na minha boca e mesmo assim não parei e continuei chupando e ela teve mais 2 orgasmos na minha boca.

Ela me disse que a buceta travou e com isso fui passando a cebeçona na entradinha e sem menos ela esperar soquei com tudo, ela me deu uma unhada nas costas e disse que eu a estava arrombando.

Fiquei enfiando e tirando e ela estremecia e via sua buceta toda babada e gozada.

Pedi para ficar de costas de de quatro.

Passei a rola na entrada da buceta e meti gostoso e em poucos minutos ela gozou novamente e disse que não estava aguentando mais, que estava muito ardida e que minha rola é muito grossa e cabeçuda.

Tirei a rola da sua buceta e comecei a chupar o seu cuzinho e disse que iria encher o seu cuzinho de porra.

Ela me disse que podia fazer o que desejar.

Dei uma salivada em seu cuzinho e fui colocando a cabeçona.

Ela me disse que não iria entrar, pois seu cuzinho era apertadinho e fazia tempo que ela não dava ali.

Sem só dei uma empurrada e a cabeçona entrou, ela deu um grito e me xingou.

Nisso comecei a meter sem só.

Ela começou a gritar e falar que estava senso arrombada e não era para eu parar.

Fiquei colocando e tirando do seu cuzinho e vendo o buraco que estava.

Ficamos nessa uns 15 minutos até que enchi o seu cuzinho de porra.

Deitei sobre o seu corpo e esperei um pouco até a rola ir saindo sozinha.

Quando tirei a rola vi o seu cuzinho todo arrombado e um monte de porra saindo.

Ficamos conversando uns minutos e fomos para o banho.

No banho ela disse que jamais pensou que isso poderia acontecer, mas sempre reparou nas minhas pernas e na minha pica quando estavamos na praia.

Tomamos o banho e dei mais uma chupada em sua buceta, ela nem aguentou até gozar novamente.

Voltamos para a cama, demos um beijinho e fomos dormir.

Hoje acordei 06:00hs da manhã e antes de levantar coloquei a rola na entrada da sua boca, ela viu e deu aquela mamada.

Perguntei se ela queria mais rola, ela disse que estava toda ardida.

Então coloquei a rola em sua boca e dei leitinho logo cedo a ela.

Levantei, me troquei e me despedi para ir embora.

No sábado nos encontraremos novamente na praia e qualquer novidade passarei a vocês.

Abraços e obrigado a todos os leitores para leitura a esse conto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *